Marco Almeida: "A cirurgia plástica no RN é de primeira linha"

10/06/2016

Por: Redação do PN
Foto: Aldemir Dantas
A Clínica Marco Almeida  existe há quanto tempo aqui no Rio Grande  do Norte?
Eu trabalho aqui no estado há 25 anos, e na verdade já estamos numa segunda versão da clínica, pois há 4 anos e meio estamos nas instalações novas. A antiga, fundada pelo Dr. Araken, perdurou por mais de 10 anos.
 
E o Sr. é do Rio Grande do Sul, mas todo mundo já lhe vê como potiguar.
Eu me considero meio a meio. Tanto é que, quando chego lá em Porto Alegre, eles acham que eu sou nordestino, porque o sotaque já está  um pouco mesclado.
 
É verdade que, em cidades como Natal e Rio de Janeiro, que têm praia, as pessoas buscam mais cirurgias plásticas?
Nos lugares mais frios, como na Europa, a procura é a mesma. Isso aí é uma quebra de paradigma. Para se ter uma ideia, os meses de férias são os meses em que a gente mais opera, como dezembro e janeiro, e também as férias de julho aqui em Natal. E também aqui a gente pega muita gente que vem da Europa, até porque aqui é uma porta de entrada para o Brasil. Somos uma referência mundial na cirurgia plástica.
 
No Rio Grande do Norte, existem profissionais com a mesma qualidade da região sudeste e que oferecem o mesmo nível de segurança?
Com certeza. Tanto é que as titulações e as certificações são as mesmas para o Brasil inteiro. Então, nós temos aqui no Rio Grande do Norte profissionais de primeiríssima linha, assim como no Sudeste.
 
Quais são os cuidados que alguém deve ter antes de fazer uma cirurgia plástica?
A primeira coisa é a escolha do profissional. Então, para isso se deve ter extrema consciência. O paciente tem que saber quem procurar para realizar uma cirurgia. Por isso, é muito importante que se pesquise o site oficial da Sociedade Brasileira de Cirurgia Plástica para verificar a certificação do profissional. Está disponível no endereço cirurgiaplastica.org.br.
Ali o cliente pode entrar em contato com o site, entrando com o estado e o nome do profissional e se certificar se ele é um especialista na área realmente. Também é preciso saber o nível de titulação, pois existe uma hierarquia técnico-cientifica.