Brasil empata com Paraguai em jogo ruim com a cara da política brasileira

30/03/2016

Por: Cefas Carvalho
Foto: Ig

Um jogo com a cara da política brasileira atual: cheia de coisas lamentáveis, erros, muita emoção e um punhado de gente que parecia não saber o que estava fazendo. Assim foi o empate de 2 x 2 entre Brasil e Paraguai em Assunção, no lendário estádio Defensores del Chaco pela rodada das eliminatórias para a Copa do Mundo de 2018.

O empate deixou o Brasil, que começou a rodada em terceiro lugar e entrou em campo em sexto, saindo dele na mesma posição com nove pontos. E é nesta colocação, fora até da repescagem, que a Seleção ficará pelo menos até o início de setembro, data das duas próximas rodadas das eliminatórias para o Mundial da Rússia. Os próximos compromissos do Brasil serão contra Equador, fora de casa, e Colômbia, em casa.

Mas, o Brasil saiu no lucro Jogando muito mal, levou 2 x 0 dos donos da casa, que marcaram com Lezcano e Benitez. Jogando também muito mal, o Paraguai permitiu o empate brasileiro nos últimos minutos com Ricardo Oliveira e Daniel Alves. Na base na raça e da insistência, não da qualidade.
 
Sem Neymar, suspenso pelo segundo cartão amarelo, o que virou rotina para o atacante na seleção (mas, não no Barcelona), o Brasil sofreu para levar perigo ao Paraguai. Só dominou as ações da partida quando os donos da casa recuaram para garantir o resultado. Sem movimentação no ataque e diante da fraca atuação de seus volantes, a Seleção voltou a apresentar inconsistência defensiva. O empate só saiu na base do abafa e no desespero de Dunga.

O Uruguai lidera as eliminatórias sulamericanas com 13 pontos. Apesar da sexta colocação e do resultado ruim, apenas 5 pontos separam o Brasil do líder. Eliminatórias bastante emboladas. Como embolado está o time do Brasil. Tal qual a política brasileira, citada no primeiro parágrafo.