Lindemberg Fernandes: "A L&L Imóveis está buscando novos corretores"

31/10/2014


O empresário Lindemberg Fernandes, diretor da L&L Imóveis, concedeu entrevista aos jornalistas José Pinto Junior e Tiago Rebolo. Falou sobre empreendedorismo, mercado imobiliário e sobre os projetos da empresa. Confira:

Como você descobriu que tinha talento para ser empreendedor?
Faz tempo, acho que faz 32 anos, eu acredito que desde os 7 anos de idade eu me tornei um empreendedor. Lá no interior de Lagoa de Pedras, na Semana Santa existia uma cultura de você  ir pedir a benção aos padrinhos, onde você geralmente leva um presente e eles retribuem com presente ou dinheiro.  Eu ganhava dinheiro e galinha, e pensava logo que dava pra comprar outra, ninguém tocava nelas, e acabei tendo um monte de pintinhos.  Meu irmão vendia confeito e eu o ajudava, mas nossa primeira sociedade foi para vender din-din, nós já idealizávamos ser os melhores vendedores, caprichávamos quando fazíamos o din-din. Meu pai agricultor e minha mãe professora do Estado, sustentaram os filhos sempre com muito esforço. Nunca passei fome, mas passei por necessidades, de infância mesmo. Foi uma infância difícil. Era mais concentrada no sítio, trabalhando na terra. Começamos a crescer, vender muito, também vendemos outras coisas, mas chegou um ponto que vimos que no interior não tinha como crescer mais. Meu irmão se dedicou aos estudos,  e passou na escola de Jundiaí, eu também passei e depois fomos morar em Natal.

Quando descobriu que o segmento imobiliário era o que iam seguir?
A gente veio para a capital atrás de emprego e nãoo conseguimos. Voltamos para  o interior pra trabalhar no cabo da enchada, plantar feijão verde, esperar para colher, debulhar vender de porta em porta. Pegávamos carona para economizar a passagem, e em uma dessas caronas conhecemos os senhor  João Batista Coutinho. Em uma oportunidade ele disse ao meu irmão que tinha um negócio para nos apresentar, para sermos corretores de imóveis. Essa belíssima profissão, que ele nos apresentou.  E realmente é um profissão muito digna, eu acredito que quem trabalha de forma correta e se dedica não tem como não ser bem sucedido.

Como surgiu a ideia de fundar a L&L Imóveis?
Entramos no ramo, vestimos a camisa da imobiliária para a qual trabalhávamos, e em menos de 4 anos trabalhando fazendo um diferencial no mercado, ficamos conhecidos como grandes vendedores de loteamentos. E por questões de visão de crescimento decidimos começar. Mas não acredito que tenha sido o ramo de imóveis que nos fez  bem sucedidos, pois aprendemos com nossos pais a persistência no trabalho, e nos preparamos para enfrentar batalhas,  então em qualquer área que entrássemos seríamos bem sucedidos, pois tínhamos determinação. Tudo que você faz bem feito, você é bem sucedido. Eu aprendi na vida: “Ou você faz poeira ou come poeira”, e ambos podem estar certos, mas tudo depende de onde você deseja estar.

A L&L Imóveis hoje está “fazendo poeira ou comendo poeira”?
Eu acredito que  estamos fazendo muita poeira, porque o mercado  reclama de crise, mas nós estamos conseguindo vender bem. Poderíamos estar melhor, mas o que impede o desenvolvimento do setor são os órgãos públicos competentes, principalmente o Idema, que precisa se estruturar. Se não tem funcionários suficientes, tem que se fazer concurso público, porque os empresários querem fazer tudo de forma legal, mas a burocracia atrasa os processos e prejudica o setor. Precisa desburocratizar esses órgãos para que a economia flua.

A L&L Imóveis  tem quantos anos? Quais as principais diferenças de quando começou para os dias atuais?
A L&L Imóveis tem 15 ano de mercado. Hoje as coisas estão mais fáceis, quando comecei, para fazer ligação eu trabalhava o dia todo no plantão e quando chegava em casa eu comprava ficha para  ir no orelhão para fazer ligação para prospectar o cliente. Hoje, de onde a gente estiver já entra em contato com o cliente.

A L&L Imóveis está  de portas abertas para profissionais corretores de imóveis?
A empresa  hoje está na missão de buscar novos corretores pois está em ascensão e precisa de reforço para atender a gama de empreendimentos que temos. São condomínios horizontais, apartamento, fazendas, granjas, chácaras,  e loteamentos. Somos especialistas em loteamentos, estamos em mais de 50 cidade no RN com loteamentos, e temos também na Paraíba.

Quais as ferramentas que utilizam para prospectar clientes?
E-mails, redes sociais, jornais impressos de circulação (tem dado bom resultado), carro de som, informativo, telemarketing, plantões. As mídias em geral. Utilizamos várias ferramentas de comunicação .

Tem projeto de expansão?
Sim, mas a visão hoje de expansão é diferente. Nós expandimos anos atrás  abrindo filial em Natal, mas ela estava concorrendo com a de Parnamirim, era despesa dobrada que no final o efeito era o  mesmo, entendemos que poderíamos ter o mesmo resultado só  em Parnamirim. Abrimos também em Mossoró, mas não deu certo. O que eu pude investir em para continuar eu fiz , mas uma dificuldade que eu tive lá foi encontrar pessoas manter os profissionais então resolvemos dar um passo atrás. Na vida, às vezes a gente tem que fazer isso para se firmar. Quando fechamos em Mossoró fomos para o mercado da Paraíba e já ultrapassamos a fronteira com Pernambuco. Nossa visão é o nordeste,  mas se realmente surgir um desafio em outra região ou país, nós vamos.
 

Fonte: Poiguar Notícias