Geraldo Veríssimo e a legislatura

05/03/2013

Por: Pinto jr. e Cefas Carvalho

 

Geraldo Veríssimo é o presidente da Câmara de vereadores de São Gonçalo do Amarante. Foi eleito com 1.805 votos na última eleição. Na entrevista no Alpendre do PN, concedida aos repórteres Cefas Carvalho e José Pinto Junior, ele fala sobre os trabalhos do Legislativo, capacitação de mão de obra, o projeto de câmara itinerante e o estádio do Alecrim F.C. em São Gonçalo, o “Periquitão”.
 

Pinto: Os trabalhos no legislativo de São Gonçalo começaram pra valer?

Geraldo: Sim, na realidade acho que começou já antes de todas as câmaras. Encurtamos o período de férias, mudamos o regimento interno, de 50 dias para 30. Todo trabalhador brasileiro tem 30 dias de férias e a câmara de São Gonçalo não pode ser diferente.  Começamos os trabalhos dia 5 de Fevereiro com sessões ordinárias.

Cefas: Qual o prazo para terminar as reformas na sede da câmara?

Geraldo: Elas estão adiantadas. No máximo dia 15 de abril devem estar prontas, que é o que consta no contrato. Talvez ela seja até entregue antes disso e seria ótima, porque poderíamos inaugurá-la dia 11, que é a data da emancipação política de Sâo Gonçalo. Já estão colocando a segunda laje, estão com um bom andamento. Eles estão usando um processo que é o mesmo usado na construção de shopping centers.

Pinto: Quais serão os principais projetos a serem postos em votação nesse momento na câmara?

Geraldo: Estamos esperando o executivo que passará por uma reforma administrativa que devem estar completas em abril. No momento estamos atendendo a requerimentos para trazer instituições como o SESC, SESI, SENAI e SENAC, que é um projeto de minha autoria e o prefeito está mobilizado em trazê-los para Sâo Gonçalo. Isso se faz necessário para a capacitação de mão de obra em torno do aeroporto. Por isso, esse ano será muito importante e com muita matéria a ser deliberada na cidade. Inclusive, a readequação de leis para o abastecimento de água do aeroporto. Então será uma legislação diferenciada, para atender não só as demandas do aeroporto, mas também ao empreendimento da COTEMINAS.

Pinto: A qualificação de mão de obra será a tônica do legislativo e do executivo, mediante as novas vagas de emprego que surgirão?

Geraldo: Sim, isso já é realidade. Já temos treinamento em línguas estrangeiras, como espanhol, inglês e mandarim. Treinamentos para pedreiros através de cursos do SENAC. A empresa que está construindo o aeroporto já possui convênio com a prefeitura para atender as demandas que aparecem. E por incrível que pareça está faltando profissionais. Ainda não temos estrutura para atender o tamanho da demanda, mas as obras estão bem adiantadas.

Cefas: Agora a câmara conta com mais vereadores. Qual a diferença da dinâmica entre a legislatura anterior e essa? A população se sente mais representada?

Geraldo: É sempre melhor, inclusive aumentou o numero de pessoas prestigiando os trabalhos legislativos lá na câmara. Porque algumas comunidades que não tinham representantes, agora têm.  Alguns segmentos também não possuíam como o evangélico e o sindical, por exemplo, agora possuem representatividade.  Eles trazem essas instituições para o debate dentro do legislativo e isso é importante para São Gonçalo. Eram 10 vereadores e agora são 17, um aumento de 70%. Isso não é uma coisa típica, por isso há muita diferença no nível de representação tanto das zonas rural e urbana.

Pinto: Mesmo com o aumento do numero de vereadores ainda há a intenção de se fazer a câmara itinerante?

Geraldo: Esse ano iremos fazer com certeza. A partir do dia 15 de abril começaremos a fazer essas sessões nas comunidades da zona rural. A primeira comunidade atendida será a de Poço de Pedra e suas adjacências, em seguida será Serrinha, Uruaçu e demais comunidades. Todo final de mês, a partir de março ou abril começaremos a fazer com frequência essas sessões. Temos que ter algum atrativo para que essas pessoas realmente participem efetivamente. Em seguida retornaremos para a zona urbana que também necessita desse tipo de intervenção.

Cefas: Como se dará o relacionamento entre o legislativo e o executivo nessa nova gestão?

Geraldo: É natural que a certa altura haja conflitos, mas por enquanto é harmônica. Todos os partidos declararam apoio ao prefeito. Se houver alguma discussão mais acalorada será só para o ano que vem, que é um ano político. Cada um lá tem seu interesse pessoal, é natural que isso aconteça.

Pinto: Qual sua opinião sobre o novo estádio do Alecrim FC, o Periquitão, que fica em São Gonçalo?

Geraldo: Parabenizo e até agradeço o presidente do Alecrim, Antony, pela iniciativa. Inclusive, estaremos com a câmara lá no próximo jogo para apoiar a ideia que foi muito boa. Até então ninguém tinha pensado em São Gonçalo para fazer esse investimento. O estádio pertencia à equipe do Igapó, mas através de um convênio a ideia deu certo. Será uma parceria duradoura e muito bom para São Gonçalo, pois a cidade vai passar a aparecer mais.

 

 

 

 

Fonte: Potiguar Notícias