Maior equipamento urbano de Parnamirim vive momento de despedida

13/12/2012

Por: Jouse Azevedo

 

Como Aeroporto Internacional Augusto Severo ele existe desde a década de 70. Em 2000 passou pela mais importante reforma e recentemente foi palco de uma longa obra de ampliação, que custou aos cofres da Infraero R$ 16,4 milhões. Apesar de estar dentro dos padrões dos demais aeroportos do país, ele tem data para parar de operar. Com o encerramento das atividades civis do maior equipamento urbano do município de Parnamirim um choque econômico deve ser sentido pela região.
 
 A certeza sobre o fim da operacionalização dos vôos civis no Augusto Severo foi decretada com a assinatura da definição do Aeroporto de São Gonçalo do Amarante, assinado em novembro do ano passado com a promessa de entrega em 36 meses, época em que o Estado deverá estar recebendo a Copa de 2014 no gramado do também em construção estádio Arena das Dunas. Por ano, 2,6 milhões de pessoas passam pelo Augusto Severo e 2.700 estão envolvidas direta ou indiretamente nas atividades do aeroporto de Parnamirim, indicando assim a dimensão da importância da unidade.
 
A cidade aeroportuária do Augusto Severo hoje é uma pequena cidade e abriga lojas, bancos, restaurantes e um comércio variado que vai desde a venda de livros e revistas até amostras do artesanato local. De acordo com o Superintendente da Infraero no Rio Grande do Norte, Usiel Paulo Vieira, o número de brasileiros que passam pelo aeroporto anualmente é 2,6 milhões. Por dia 7 mil pessoas cruzam o saguão do aeroporto de Natal, como é conhecido e esse número sobe para 11 mil na alta estação.
 
Questionado com a comparação sobre o valor utilizado para a obra de reforma, finalizada em agosto e o tempo de "vida" que ainda terá o aeroporto, o superintendente da Infraero no Estado destacou a responsabilidade social e a necessidade de que seja mantida uma infraestrutura adequada para o usuário do aeroporto, enquanto nele houver atividade. São realizados cerca de 90 vôos, entre pouso e decolagens diariamente. Já os vôos intenacionais são dois por dia.
 
A realidade do tempo de vida do Aeroporto Augusto Severo começa a fazer parte da realidade dos profissionais que trabalham na parte interna do aeroporto. A vendedora da Empório das Rendas, Gideone Damásio, orgulha-se do novo emprego conquistado há um mês, destacando a proximidade da residência localizada dentro do município de Parnamirim. Para ela, a distância do Aeroporto de São Gonçalo vai ser o grande entrave para que muitos funcionários e proprietários de lojas se mudem para o novo endereço.
 
Entre as reclamações dos usuários do aeroporto de Parnamirim está o funcionamento do ar condicionado. Atualmente, mesmo com a finalização das obras ele ainda trabalha com capacidade abaixo da média o que acaba conflitando com a alta temperatura da cidade. Os turistas estrangeiros acabam sentindo ainda mais a falta da climatização dentro das dependências do local. Problema agravado nos dois horários onde o aeroporto recebe o maior número de chegada e partida de vôos, que é entre meio dia e 15h, até do horário ente 23h e 3h da madrugada.
 
 
Serviços
 
O turista que chegar ao Aeroporto Augusto Severo dispõe de serviço que podem levá-lo a qualquer parte do Estado. A cooperativa Coopertaxi de Parnamirim disponibiliza 74 veículos para o aeroporto. De acordo com José Osório, responsável pela cooperativa, o grupo que deveria oferecer exclusivamente este serviço vem sofrendo com a operacionalização de serviços de translados oferecidos por outras empresas de turismo que atuam dentro do aeroporto. "Estão comercializando por exemplo transporte para Pipa, o que é errado. Nós pagamos mensalmente a Infraero cerca de R$ 6 mil para que nosso serviço seja exclusivo", lamentou Osório. No local há serviço médico permanente e uma unidade móvel de urgência. 
 
Lanchonete Popular
 
A primeira lanchonete popular do Nordeste foi inaugurada no último dia 5 de dezembro, no espaço panorâmico do Augusto Severo. No Brasil, existem apenas três lanchonetes com estas características em aeroportos administrados pela Infraero. No RN, a lanchonete popular ficará na área mais atrativa do aeroporto, no espaço panorâmico e vai oferecer produtos com preços mais acessíveis do que os tradicionais preços altos comercializados dentro de aeroportos. 

Fonte: Potiguar Notícias