Artesãos do RN debatem fortalecimento da categoria e pedem mais incentivo

03/09/2012


Dados revelados pelo Sindicato dos Artesãos do RN (Sindarte) apontam que mais de 80% dos produtos comercializados nos shoppings de artesanato da cidade são produzidos fora do estado. “Os centros de artesanato são ocupados por artesãos e empresários de outros estados. Quem vem aqui encontra mais artesanato do Ceará do que daqui do Rio Grande do Norte”, afirma o presidente do Sindarte, José Augusto Pereira Lopes.

A reclamação ecoa no discurso de outros agentes que atuam com grupos de artesãos do estado e foi um dos diversos pontos discutidos na audiência pública realizada na manhã desta sexta-feira na Assembleia Legislativa. Para o propositor do debate, deputado Poti Júnior, reunir esse grupo de profissionais é mais importante ainda diante da realização da Copa do Mundo no RN. “Temos que preparar os artesãos para 2014 com a expectativa que possamos preparar o futuro desses profissionais”, disse.

A necessidade de articulação e fortalecimento do artesanato potiguar também foram debatidos. “Os artesãos do RN estão abandonados. Queremos abrir o diálogo entre os grupos, que são muito fechados”, disse José Augusto Lopes. Para a presidente da Federação Norte-rio-grandense de Artesãos (Fenart), Mônica Ferreira, além da Copa de 2014, é preciso reconhecimento e um tratamento melhor aos profissionais. “Somos tratados como pobrezinhos, como coitadinhos, mas não somos. Somos trabalhadores”, frisou.

Ações
O presidente da Assembleia Legislativa, deputado Ricardo Motta, também esteve presente na audiência pública e falou sobre as ações de incentivo dentro da Casa. “Falo aqui em nome dos 24 deputados, a Assembleia Legislativa está sempre de portas abertas para o artesanato do Rio Grande do Norte. Temos periodicamente exposições nas dependências da nossa Casa e somos parceiros das boas iniciativas em prol do fortalecimento desse importante ramo da economia do nosso Estado que é o artesanato, responsável pelo sustento de tantas famílias na capital e no interior. Tenham, as senhoras e os senhores, a convicção do nosso apoio irrestrito, não somente com a realização desta audiência pública, proposta pelo deputado Poti Júnior, mas com a nossa disposição de colaborar no que for necessário para o crescimento e a profissionalização do artesanato potiguar".

O RN tem cerca de 9.890 artesãos cadastrados, o número, de acordo com o próprio sub secretário Estadual de Trabalho e Assistência Social (Sethas), Antoir Mendes dos Santos, é discutível. “Esses dados serão atualizados. Acreditamos em um número muito maior. Para isso vamos iniciar uma pesquisa que vai identificar quantos artesãos existem no RN. A partir do resultado, saberemos das necessidades dos trabalhadores”, disse.
Antoir Mendes dos Santos destacou o programa estadual de artesanato, que segue as diretrizes do programa nacional e das ações do Governo Estadual de incentivo ao artesanato potiguar. “Levamos um grupo para o Rio +20, tem o Agosto da Alegria, a participação na Conferência Nacional de Emprego e Trabalho Decente, que ocorreu em Brasília”, finalizou.