Fábio de Oliveira

27/06/2022

 

Ecossistemas: para além do imaginário amazônico

 

Quando fala-se em meio ambiente, na mente da maioria das pessoas, vem as paisagens da Amazônia. Com aquelas imagens aéreas de rios cortando o denso ecossistema, sem falar nas queimadas e desmatamentos que acontecem cada vez mais em grandes proporções. Mas esse ainda é o limite sobre o que se sabe de questões ambientais para essa maioria e a consequência é o desconhecimento sobre outros ecossistemas existentes. Dos quais, também estão presentes em muitas regiões do Rio Grande do Norte e toda a carga de conflitos político e social que se movimentam.

            A nossa relação com a natureza ela é praticamente inexistente e essa ausência é fomentada desde quando somos crianças, por motivos diversos. É nítido observar a falta de informação e formação dos pais e professores, a impraticabilidade de dispositivos legais que obrigam escolas a pautarem sobre educação ambiental e um estilo de vida cada vez mais consumista.

            Crescemos não dedicando atenção e sensibilidade aos ambientes que estamos inseridos, seja em um contexto urbano, seja no rural. Vedamos nossos olhos aos nossos próprios jardins e quando saímos desse micro local para um macro, as coisas vão agravando-se mais ainda. Desconsideramos assim, outras formas de vida, a fauna e a flora que compõe os outros ecossistemas ao nosso redor.

            Para além da floresta amazônica, que não é um ecossistema presente em nossa interação regional, é de grande importância que as pessoas enxerguem as dinâmicas socioambientais que acontecem dentro da nossa realidade. Dentro da própria Natal/RN, temos um trecho da Mata Atlântica que é possível conhecer a fauna e a flora que há nesse importante ecossistema que ainda possuí cerca de 15% do território nacional.

            A área de manguezal distanciada por muitas pessoas das quais transitam pelas duas pontes, que enxergam esse importante ecossistema pelo limite das janelas dos transportes. E que desconhecem as diversas funções para os humanos e não-humanos que este traz para nossa sociedade, inclusive para os bairros da zona norte de Natal/RN.

            Não podemos esquecer outros ecossistemas existentes como as florestas de tabuleiro do Cerrado, algumas vezes confundido com a Caatinga. As vegetações que compõe as Florestas das Serras. A Floresta Ciliar de Carnaúba em regiões de baixa umidade e em margens de rios, e também temos as áreas de Dunas que traçam vários territórios que faz do nosso estado rico e diverso.

            Pensar nos diversos contextos ambientais que atravessam nosso estado é considerar as distintas realidades que interagem. E destas interações entre fauna e flora, também ocorrem ações antrópicas que vem degradando esses ecossistemas severamente. Não podemos esperar que vidas da fauna e flora sejam contempladas apenas em museus algum dia, em um futuro talvez até próximo pelo andar da carruagem. O cuidado e a preservação destes outros modos de vida são urgentes para manutenção e equilíbrio de nossas existências.