Ana Paula Campos

05/01/2022

 

2022: EU ME LEVANTO

Mais um ano se inicia. Como a maioria das pessoas fazem ao final de cada ciclo, também realizei uma retrospectiva na mente, após parar por alguns dias e refletir sobre o ano que se finda. 

No início de 2021, minha filha realizava a sua quarta cirurgia. Viramos o ano e ela segue fazendo fisioterapia, com anúncio de mais um procedimento cirúrgico. Não tem sido fácil, mas até aqui temos encontrado forças para seguir e dar continuidade ao tratamento, pedindo força e coragem a Oyá para nunca desistir da luta. 

Foi neste ano que ela se aproximou do terreiro. Uma decisão pessoal, porque não concebo que alguém deva ser obrigado a seguir, seja qual for a religião, por medo ou cobrança. Isso não existe para nós de axé! Giovana vem trilhando um caminho suave no conhecimento de Orixá, sentindo seu amor por ela cada vez mais forte. 

Consagrei-me na Santa Jurema Sagrada em maio e compreendi que tenho duas mulheres fortes e de liderança ao meu lado, cuidando e zelando por mim. Estreitei meus laços com entidades que não estão nos meus caminhos, mas que admiro e louvo com amor. 

Durante o ano, sofri com a perda de alguns amigues que se foram em razão da COVID-19. Criamos uma rede de apoio para segurar a mão de irmãs e irmãos que estavam enfrentando uma barra maior devido ao desemprego. Nos aquilombamos e nos acolhemos mutuamente. 

Passei por momentos de angústias ao ver um sonho ser adiado por tantas vezes – quase desisti de trilhar o caminho da escrita. Mas Exú é o dono de todos os caminhos e Orixá o da comunicação. Fez com que eu entendesse que tudo acontece no tempo certo, e esperar pela sua vontade é sempre a melhor escolha. Entreguei, confiei e agora aguardo com paciência. 

Apesar de ter sido rotulada pelos jornais locais de “vagabunda”, este ano foi mais do que decisivo para mim. Após anos atuando como uma espécie de coordenadora na rede municipal de Natal, finalmente voltei a dar aulas presenciais em sala de aula. Foi um momento de muita ansiedade; eu estaria colocando em prática tudo que venho estudando e, inclusive, formando outres educadores para fazer o mesmo. Mas dar aulas numa perspectiva pluriversal, tem me enchido de orgulho e satisfação de saber que estou fazendo a diferença para as gerações futuras. 

As leituras e pesquisas para uma prática educativa responsável, fizera-me deixar de lado alguns livros que estavam esperando, pacientemente, na fila pela sua vez. Mas não me cobrei quanto a isso. Não estou em competição com ninguém, para dar satisfação do número de livros lidos no ano. 

Tive minha fé testada e cheguei a vacilar em algumas decisões, mas Orixá é vivo em nós e a todo instante estava cuidando para que eu me ligasse às pessoas certas. Por indicação de uma amiga querida, conheci meu babalorixá que, com amor, paciência e retidão de caráter, tem me conduzido em um caminho cheio de luz e amor aos Orixás. 

Descobri minha ancestralidade indígena e fui questionada por membros da comunidade sobre minha condição indígena e negra. Depois de muita reflexão, lembrei que caixinhas identitárias é coisa do Ocidente. Eu sou o que sou e estou feliz comigo!

Priorizando minha saúde mental, afastei-me de algumas pessoas e fui ficando cada vez mais quietinha no meu mundo particular, cuidando de mim e dos meus. 

Já na iminência de acabar o ano, fui surpreendida pela notícia de uma doença grave na família e da certeza da quinta cirurgia da minha filha. Desabei! Encontrei conforto nos braços das minhas Entidades, Orixás e amigues. Quando certas coisas estão no nosso caminho, o melhor a se fazer é ter fé e seguir lutando. 

Durante todo o ano fui julgada e condenada em minhas práticas de luta na militância. Foram vários os rótulos negativos. Mas quando eu assumi a tarefa de me expor nas redes sociais, era sabido que nossa paz ficaria comprometida. Sigo?

Estamos em 2022 e já sinto os ventos da mudança e da transformação. Sigamos com alegria, lembrando de que não importa o quão seja difícil a situação, não podemos perder nossa fé. Desejo a todes que acompanham esta coluna um ano de luz, paz, amor, prosperidade e caminhos abertos. Axé!