Renisse Ordine

24/06/2021
 
O Diário de Bitita e Contos Negros: Um paralelo
 
 
 Em 13 de junho é comemorado o aniversário da escritora cachoeirense, Ruth Guimarães. E neste ano, a ACLA (Academia Cachoeirense de Letras e Artes), promoveu a Semana Ruth Guimarães. 
 
E recebeu mesas para que fossem debatidos temas voltados para a escrita feminina, a valorização e a perpetuação da memória de autoras que trazem em suas obras o registro da cultura e da sociedade brasileira.
 
Com isso, para a mesa de encerramento do evento, foi posto em evidência, duas importantes obras literárias, a de Carolina Maria de Jesus “O diário de Bitita” e o da homenageada Ruth Guimarães, “Contos Negros”. Com a ilustre participação especial das filhas das escritoras, Vera Eunice de Jesus e Júnia Botelho.  Um encontro histórico! Ter a presença dessas mulheres para falar sobre suas mães e do empenho que tiveram em suas vidas. 
 
Duas mulheres negras que fizeram de sua escrita e da literatura uma questão de fé, para seguirem o seu propósito, voltado pela vontade de viver em prol do conhecimento.
Vivências e literatura, cada uma traz em seus livros, e em seus escritos, histórias e registros culturais e sociais do Brasil. Igualmente atuais e marcantes para a formação do povo brasileiro como seres políticos e sociais. 
 
Outro ponto importante desta mesa foi à apresentação de projetos que estão sendo realizados, para que a presença delas seja algo que possa ser vivido e lido pelas futuras gerações.  
 
Sobre Ruth, na cidade de Cachoeira Paulista, SP, os filhos da escritora fundaram o Instituto Ruth Guimarães, em sua residência, promovendo encontros literários, musicais e artísticos. 
 
Sobre Carolina, a cidade de Franca, está reunindo pesquisas e garimpando informações que envolvem a passagem da escritora pela cidade, onde ela permaneceu alguns anos. Segundo o presidente da AFL (Academia Francana de Letras), José Lourenço Alves, o projeto intitulado “Bitita em Franca”, tem como objetivo, criar um turismo literário com pontos específicos e significativos da presença da escritora. 
 
Foi uma reunião inesquecível sobre o passado, o presente e o futuro. Um paralelo literário que define a realidade brasileira e que nos inspira a acreditar que as vozes de Carolina e Ruth ficarão eternizadas e renascerá a cada novo leitor.