Wellington Duarte

20/04/2020
 
GOLPE GROTESCO NO IFRN MOSTRA COMO A ELITE LOCAL GOSTA DO PODER
 
 
Como nos velhos tempos da DITADURA MILITAR, um general, mesmo que nesse caso de pijama, entrega o nome de um membro do SEU partido, no caso o Partido Social Liberal (PSL), uma horda de bandidos, marginais fascistas e pessoas de baixa índole, que se juntou para eleger a Rainha Louca do Planalto, ao não menos patife que é ministro da Educação e este, NOMEIA esta criatura, como NOVO Reitor dos IFRN.
 
Não precisa ser muito inteligente para ver um golpe escancarado nessa nomeação pois o dito cujo que parece ter antevisto esse movimento e assinou a ficha de filiação à essa camarilha medieval, para certamente ter o aval do general de pijama, que o enfiou dentro do IFRN.
 
O nome em questão é o do senhor Josué de Oliveira Moreira, um mossoroense cuja vida política iniciou-se em 2012, quando candidatou-se a prefeito de Mossoró pelo antigo Partido Social-Democrata Cristão (PSDC), hoje Democracia Cristã (DC) e obteve pífios 1,4% dos votos.
 
Em 2016 o bravo Josué, que numa publicação de 2016, proclamava-se defensor de uma "revolução de princípios, calçada nas leis de justiça e da sobrevivência", novamente foi à luta e viu sua votação recuar para 1,0% dos votos.
 
Em 2018 aceitou ser o SEGUNDO SUPLENTE da chapa da DC ao Senado, cujo titular foi octogenário Joanilson de Paula Rêga, um velho político conservador, que recebeu 0,5% dos votos.
 
Mas, como Josué chegou à essa indicação, se sequer participou do processo de consulta feita pelos vários campus do IFRN, que apresentaram quatro candidaturas? Qual o critério desse nome para aparecer de repente? Como não acredito em milagres e nem em contos da carochinha é um caso clássico de aparelhamento de uma instituição pública.
 
Josué é professor de Zootecnia e Sanidade Animal, e ensina no Campus de Ipanguaçu e parece que sua "carreira política" tomou novo impulso ao se filiar à essa chusma reacionária e ter tido o carimbo do general de pijama.
 
Tempos sombrios.