Evandro Borges

28/02/2020
 
Ao amigo Mario Luiz Dantas
 
O amigo Mario Luiz Dantas é natural de Acari/RN, conheci quando era tesoureiro da FETARN, depois foi Presidente da entidade representativa dos trabalhadores e trabalhadoras rurais, um homem ponderado, afeito ao diálogo, capaz de tomar decisões, participativo, articulado com os movimentos sociais e com os setores classistas,  enfrentava os conflitos fundiários que na época não eram fáceis. 
 
Em Acari sua terra natal foi vereador, viajei muito ao seu lado, na criação de sindicatos, de ônibus ou de carro, era destemido e não tinha enfado, principalmente, pelo Seridó, em Currais Novos, na Serra de Santana, foram inúmeras travessias, e pelas mãos de Mário em um ano de inverno fui conhecer a sangria do “Gargalheiras”, belíssima, ficou marcado definitivamente aquele belo cenário.
 
Nas viagens realizadas juntos para Acari ficávamos na sua residência com a sua família, o café da manhã servido pela sua esposa, devota de Nossa Senhora D’Guia, contava as procissões, a participação no terço, uma seridoense com toda a religiosidade. A identificação de Mário com a terra natal era muito forte, autentica, exerceu liderança política junto ao MDB/PMDB, foi até candidato a Prefeito de Acari.
 
Na gestão de Mário na FETARN com os ares mais democráticos permitiu a descentralização do atendimento jurídico para os Sindicatos e para os polos, um avanço dando mais autonomia aos Sindicatos que passaram a organizar o trabalho jurídico nos Municípios ainda muito árduo, com as questões de ordem fundiária, de indenização, e trabalhista, principalmente no setor canavieiro, sem descurar da Federação, com um pequeno número advogados, mas valorosos na sede, dentre eles, o Dr. Walter Máximo, natural de Campo Grande.
 
A idade avançou e muitas reformas foram sendo realizadas, e Mário voltou sua atuação para o Seridó, e ultimamente com o movimento da terceira idade, foi um sindicalista comprometido com o campesinato, ingressou no Partido Comunista do Brasil, contribuindo para organizar a CTB no campo, participou do Primeiro encontro dos Rurais da CTB em Macaíba, ao lado do saudoso Zé Ferreira, Geraldo Paulo e Damião Gomes, evento realizado no Pax Clube.
 
Mario Luiz Dantas, partiu, encerrou aqui o convívio humano neste carnaval, deixando um largo legado de lutas, de capacidade de dialogar, de saber ouvir e tomar decisões, um tolerante nato, quando tomei notícias do seu falecimento já estava sepultado, mas, a sua memoria e lições estará no guardião dos melhores sindicalistas do campo na FETARN.