Evandro Borges

17/01/2020
 
A saúde pública no Brasil em crise
 
O Sistema Único de Saúde conseguiu integrar a população brasileira na saúde pública com atendimento universal, acabando a indigência de outrora, os atendimentos meramente por corporação com recursos públicos, contribuindo de forma decisiva para a inclusão social e a cidadania, com repartição de responsabilidades pelos entes federados, mesmo com muitos senões e desafios para se vencer.
 
Ainda uma grande dificuldade consiste nas responsabilidades dos Municípios, dos Estados e da União, o que seja atenção básica que obrigam Municípios de menor porte, os médios e os grandes centros urbanos, com atendimentos de complexidade e colocar os avanços científicos da saúde em favor da população, pois a compra dos equipamentos exigem muitos recursos.
 
A saúde pública vai da prevenção, conhecimento de informações, atitudes dos profissionais, campanhas de esclarecimentos, haja vista, a vulnerabilidade da população, envolvendo questões estruturais tais como: sistema de esgotos, abastecimento d’água, coleta lixo, habitações salubres, meio ambiente equilibrado, vida saudável até o tratamento de doenças que implicam uma série de fatores.
 
O que consiste uma vida saudável da população que possa minorar a tal crise da saúde? É uma indagação complexa de responder por conduzir a um cenário que exige muitas respostas, passando, por cultura e educação, alimentação adequada, exercícios físicos, vida social e comunitária, empregabilidade com jornada de trabalho humanizada e dignidade salarial, mobilidade urbana adequada, satisfação pessoal e coletiva, ou seja, civilidade.
 
Uma vida saudável implica diretamente na saúde da população, portanto, não é fácil na contemporaneidade enfrentar os desafios da crise da saúde, que consiste em uma crise da atualidade, que de fato, necessita de acolhimento e o atendimento hospitalar com todos os exames que a ciência da saúde pode proporcionar e já conseguiu avançar, para atender a inclusão que se deseja alcançar.
 
A crise da saúde se faz necessário o envolvimento do poder público, mas, também da sociedade, dos profissionais da área com planejamento, diagnóstico da situação e participação com efetividade,  compromissando a cidadania e as organizações da sociedade, para se vencer problemas como a dengue e a cobertura das metas das campanhas vacinais.
 
Os órgãos de fiscalização têm atuado e os conselhos de políticas da mesma forma, a mídia de forma incansável e cotidiana não deixa de efetuar denúncias e realizam entrevistas com profissionais, muitas de excelente qualidade e fazendo uma boa prestação de serviço, todavia, a crise não se vai vencer com propostas pontuais, algumas de certa forma minoram a situação.
 
A crise da saúde que envolve todo o país, mais acentuado em alguns Estados e localidades, não é culpa de um só governo, não é apenas com um tipo de programa que se vai sair da situação posta, mas com muita civilidade, melhorando a economia com distribuição da renda, dando cidadania a população, com muito envolvimento do poder público e da sociedade.