Álvaro Dias tem que trocar a Heineken pela cachaça

11/12/2019

Por: Hugo Vieira
Foto: Reprodução
Outro dia em uma bar da cidade quase na beirada do Potengi. O prefeito Álvaro Dias saia da rotina tomando uma Heineken. Sem problemas, claro que o prefeito merece ter seu dia de folga. 
 
Já do outro lado do rio - trabalhadores não acostumados com a cerveja cara, também estavam de folga. No bar da esquina ou no churrasquinho a cachaça é privilegiada. São moradores da Zona Norte de Natal que a cada dia se sentem mais distantes das decisões do Palácio Felipe Camarão. 
 
Praças abandonadas, o ginásio Nélio Dias sem esportes, UPAs sobrecarregadas, transformam a região de Natal quase em uma cidade paralela.
 
Talvez o prefeito tinha razão quando chamou a cidade que administra de feia, mas os trabalhadores que pegam o trem todos os dias e merecidamente desfrutam das folgas tomando cachaça querem uma cidade eficiente, bonita.
 
As obras de drenagem e pavimentação que pretendem alcançar 300 ruas nos bairros de Lagoa Azul, Cidade Praia, Nordelândia e José Sarney caminham a passos lentos. Alguns moradores questionam se a promessa irá se cumprir.
 
Acostumados com promessas, os mais antigos herdaram as casas da política dos conjuntos habitacionais de José Agripino. Tudo era longe, posto de saúde, delegacia e supermercado. Viva a budega!!!.
 
O plano diretor em discussão deve priorizar a Zona Norte de Natal tanto tempo esquecida. Sem marabalismos arquitetônicos a maior região da cidade tem que ser eficiente para quem vive e trabalha, valorizar as margens do Rio Potengi, integrar o transporte público com cidades vizinhas, atrair maiores investimentos para a Redinha respeitando os pescadores e o ecossistema dos manguezais.
 
Quem busca os postos de saúde da capital precisa enfrentar a greve dos servidores da saúde. Desde janeiro os novos médicos não recebem gratificações. A categoria esperava maior sensibilidade do prefeito pelo fato de também ser médico.
 
Na TV, Natal já está pronta para as festas de fim de ano, R$ 4 milhões pagarão artistas nacionais. Uma delas é Claudinha Leitte que sobe no palco nos arredores do fantasmagórico Nélio Dias. Talvez esse será o momento do prefeito dançar novamente a ciranda com a cantora.
 
Ali perto tem vielas de areia sem iluminação. Dá pra ir a pé. É o momento do prefeito botar os pés no chão e conhecer um pouco da cidade que prefere cachaça, e não Heineken.