UERN busca se adaptar à nova realidade financeira do estado

09/08/2019

Por: Redação PN
Foto: Reprodução
No início da atual gestão o Governo definiu os valores das verbas que seriam destinadas para cada pasta, visando organizar as contas do estado.
 
Devido a crise na qual se encontra o Rio Grande do Norte, foi necessário fazer redução de custos em todas as esferas públicas.
 
Embora a Universidade do Estado do Rio Grande do Norte (UERN) necessite de uma verba em torno de R$ 1.800.000 mensais, para despesas de custeio, ficou definido que o estado só teria como destinar o valor de R$ 1.500.000 mensais.
 
De acordo com a Diretora da Agência de Comunicação da UERN, Luziaria Machado, o secretário de planejamento, Aldemir Freire, explicou que era necessário priorizar a folha de pagamento dos servidores e as pastas da saúde e segurança, ante as despesas de custeio.
 
“Desde o início do ano que a UERN já vem fazendo contenções para se adaptar a realidade financeira do estado, visto que o orçamento anual para despesas de custeio, com servidores terceirizados, contas como água e luz, etc, está menor. Não é um corte e nem uma coisa que aconteceu agora”.
 
Luziaria explicou que, em reunião com o Reitor Pedro Fernandes, a Governadora garantiu que, a medida que as contas do estado venham sendo organizadas, será destinado o valor total, necessário para custeio das despesas da universidade.
 
CORTE NAS EMENDAS PARLAMENTARES
 
Em 2018 a bancada federal do Rio Grande do Norte havia destinado o valor de R$ 20 milhões em emendas parlamentares para o orçamento da UERN de 2019.
 
Contudo, o orçamento sofreu uma perda de R$ 3 milhões após o contingenciamento realizado pelo Governo Federal, através do Ministério da Educação.
 
Em maio, para garantir que a UERN tivesse verba suficiente para manter o seu planejamento anual, o Governo do Estado se comprometeu a repor esse valor de R$ 3 milhões.