Câmara debaterá práticas de enfrentamento ao racismo em Parnamirim

28/11/2018


Desde criança, aprendemos que a população brasileira tem diversas raízes culturais, é composta por diferentes cores, línguas e sotaques, e que seus costumes têm influência de países africanos, europeus, orientais e dos povos originários do Brasil – os indígenas. A combinação dessas características gerou diversas identidades, que compõem o povo brasileiro. 
 
Essa enorme diversidade é nossa grande riqueza. Mas então, por que nascer branco(a), negro(a) ou indígena determina se a pessoa terá mais ou menos acesso ao direito à educação, a proteção integral, esporte, lazer, saúde e convivência familiar e comunitária? Por que continuamos reproduzindo tanta desigualdade? Por que ainda acontece a discriminação racial? Por que não acessamos igualmente os direitos que são para todos e todas? 
 
É pensando nisso que o vereador e professor Ítalo Siqueira realizará uma audiência pública com o objetivo de debater praticas de enfrentamento ao racismo com o tema: Racismo? Tô fora! A audiência está marcada para a próxima sexta-feira (30), às 9h no plenário da Câmara Municipal de Parnamirim.
 
Para o vereador, debater um tema como este é estimular e conscientizar ainda mais toda população do quanto somos iguais mesmos com tentas diferenças físicas, pois somos todos seres humanos. “É preciso reconhecer que a diversidade não exclui; pelo contrário, integra e amplia conhecimentos diferentes para o desenvolvimento comum. Para superar esta desigualdade racial, é preciso olhar com uma lupa que seja capaz de mostrar que, por exemplo, negros e indígenas não aparecem com a devida relevância nos livros infantis, na TV, nas revistas e na escola. E entender que essa falta de representatividade de alguns grupos étnico-raciais reforça a falsa ideia de que a cor da pele determina os papéis sociais das pessoas. Enfim, é preciso entender o racismo dessa forma, e reivindicar políticas públicas e ações sociais que afirmem e respeitem essas identidades diferentes, promovendo assim a equidade racial. Valorizar a diferença é promover igualdades”, disse o vereador.