Natalense de apenas 13 anos é bicampeão brasileiro de karatê

10/10/2018

Por: Redação PN
Foto: Divulgação

“Às vezes eu fico nervoso nos campeonatos, mas isso já é normal para mim”, as palavras são do garoto Lucas Silva, de apenas 13 anos, que trouxe o título de bicampeão brasileiro de karatê na modalidade de infantil em uma disputa em Brasília, em setembro de 2018. O jovem teve auxílio da marca de tintas Luxor, que patrocinou sua viagem.

“Eu agradeço muito aos professores e ao meu pai por esta vitória no campeonato”, completa o jovem sobre o segundo prêmio brasileiro. Na penúltima faixa, marrom, o menino conta que já sabe fazer movimentos da faixa preta e diz que seu sonho é disputar uma olimpíada.

“Lucas sempre mostrou ser um aluno que queria crescer como carateca e queria almejar sonhos de ser medalhista e crescer dentro do karatê”, afirmou o professor Marcos Patriota, que o acompanha desde os quatro anos. “A gente treinou muito, ele estava com problemas no joelho devido a outras competições e graças à Deus conseguiu fazer as fisioterapias e consolidou a melhora dele e foi agraciado com o título”, completa.

O jovem já foi campeão do Norte-Nordeste em 2015, ganhou três medalhas de ouro e uma de prata no Jerns e é pentacampeão do maior evento de karatê no estado – popularmente conhecido como Taça Patriota. Segundo Marcos, duas características que ele vê no seu aluno e que contribuíram para o sucesso foi a personalidade forte e a disciplina.

“Da mesma forma que vem a vitória vem a derrota, a partir do momento que a gente prepara o aluno para essas duas consequências ele vai se habituando e vai se tornando natural o ganhar e o perder durante as competições”, disse o professor ao definir como lida com o emocional de um aluno tão novo e, ao mesmo tempo, com tantos títulos.

Ao ser perguntado sobre o que mais gosta de fazer no karatê, Lucas afirmou preferir fazer o “kata”, uma espécie de luta imaginária com vários oponentes que os alunos aprendem em cada faixa. No esporte, há duas maneiras de competir, além desta última já mencionada, existe o “Kumite”, ou seja, a luta contra um adversário propriamente dita.

Sobre a conciliação entre estudos e treinos, o professor afirma: “Graças à Deus nesse ponto aí ele sabe lidar com o treino e as tarefas em casa de estudo”.