Tenho fé em 2018 e na política de forma limpa; mas, sem oligarquias

16/01/2018

Por: Serjão Pinheiro
Foto: Redação do PN
O Ano de 2018 se apresenta desafiador. É preciso que os brasileiros e, em especial, os norte-rio-grandenses conscientizem-se e sejam protagonistas do necessário processo de transformações. Urge que tenhamos formação política suficiente para renovarmos para melhor as composições das Casas Legislativas e do Poder Executivo. 
 
Não é mais possível que o Estado do Rio Grande do Norte permaneça refém de grupos oligárquicos familiares que tanto atraso promoveram nos campos da saúde-educação  segurança pública e infra-estrutura. Faz-se mister o surgimento de novos atores políticos desvinculados dessas famílias que lotearam o Rio Grande do Norte ao longo de décadas. 
 
Eu tenho fé. Eu acredito que é possível fazer política de forma limpa e sem corrupção.Sem compra-e-venda de votos. Sem subserviência. Com propostas exequíveis a partir do debate direto e sincero com a sociedade.   
 
A grande reivindicação popular atualmente diz respeito a insegurança pública. A criminalidade organizada aliada ao processo da violência generalizada traz à sociedade o pânico. É fato que o atual governo perdeu o jogo no quesito segurança. 
 
Tudo fruto de um sistema literalmente falido. Porém, há saída concreta. No Congresso Nacional tramitam Projetos de Emendas Constitucionais a exemplos das PECs 51-73 e 361 que se aprovadas reinaugurarão a segurança no Brasil.
 
É preciso que elejamos pessoas vinculadas e compromissadas com essas lutas também no campo legislativo.