Que venha 2018!

21/12/2017

Por: Daniel Américo
2017 se foi! Um ano conturbado para a política brasileira. Nosso lider maior teve que deixar de lado o comando da nação e teve que gastar todas as suas energias para se manter no poder de todos os modos. Sob todos os preços. A turma de Brasília assumiu descaradamente que a sua luta não era pelo fim da corrupção, tão falado durante o impeachment de Dilma. A  luta era apenas pelo fim do governo do PT.
 
De alguma forma as ruas também foram coniventes com esse pensamento. Para parte da classe média, tirar Dilma parece ter sido uma forma de barrar o crescimento da corrupção e uma forma de afastar o pavor do "Efeito Venezuela" que se avizinhava. Um movimento necessário, porém não suficiente.
 
Para outra parte foi uma espécie de "dar um passo de cada vez". É o que  Parece! É fato que as ruas cairam numa acomodação que não poderiam ter caído. Resultado: os nossos representantes e a "acomodação das ruas" permitiram ao presidente a sobrevida que ele tanto sonhara.
 
Os interesses do país ficaram em segundo, terceiro, quarto plano. O projeto de nação ficou pra depois, de novo. Andamos para trás. A nossa economia encolheu. Assistimos mais uma vez às oportunidades internacionais escorrerem pelos dedos. Países da Ásia, do Oriente Médio crescendo a passos largos e nós "avançamos", para trás. 
 
Mas o que esperar de 2018? 
 
Bem, da turma de Brasília devemos esperar pouco. Devemos esperar  que eles façam o que já estão bem acostumados: Se auto protegerem.  Não muito mais que isso! Lutar para permanecerem em seus mandatos por 4, 8, 12, 16, 40 anos acumulando "prestígio" e "poder". Isso de fato é o que devemos esperar que eles façam.
 
Mas o que esperar de nós, eleitores das terras de Poti?
 
Temos que esperar que nossa população acorde. Precisamos entender que o voto de Deputado Federal é o mais importante de todos. O mais importante de todos! Deputados Federais tem poder para mudar as coisas pra melhor. Para fazer acontecer! Não só para mudar as leis, mas pra mudar a postura ética daqueles que devem ser de fato os nossos representantes. 
 
Temos que votar em pessoas que sirvam de exemplos. Que nos representem. Que sejam engajados na defesa dos interesses do Estado, do cuidado com o dinheiro dos pagadores de impostos, na defesa do crescimento econômico do RN, na defesa da livre iniciativa, que é quem de fato gera renda, impostos e empregos. 
 
Mas votar em quem?
 
Não sabemos ao certo em quem votar em 2018. Não sabemos quais as caras novas vão surgir. Não sabemos se essas caras novas vão de fato, ao eleitos, nos representar. Não sabemos.
 
Mas, uma coisa é certa. Sabemos em quem não votar. Não podemos votar naqueles que não tem espírito público. Não podemos votar em quem responde processo por corrupção, não devemos votar em filhos de políticos só porque são filhos de políticos. Não devemos votar em quem já tem mais de 2 mandatos, não devemos votar em quem usou pesos diferentes e medidas diferentes com situações iguais. Não devemos votar em quem foi a favor desse Fundão Eleitoral de 2, 3 sei lá quantos bilhões de reais. Enfim, não devemos votar mais nos que ainda não entenderam que o Brasil não é mais aquele velho Brasil dos anos 80 ou 90. 
 
A população é outra, o pensamento é outro. Os nossos representantes precisam ser outros! Que a população potiguar entenda isso. Que não caia na mesmisse de achar que só os figurões, presidentes de partidos que torram milhões do fundo partidário em campanhas milionárias, têm o direito de se eleger. 
 
Que venha 2018! E com ele, um novo jeito de pensar e um novo jeito de votar!