Pai Nosso que estás no céu, pedimos-Lhe proteção para 2018

17/12/2017

Por: Claudino Leite Filho
Foto: Arquivo pessoal
“Rompe a aurora! Vai-se embora. Mais um ano juvenil; não temamos! Prossigamos, resistindo o mundo hostil” (Hino 299, do hinário presbiteriano, edição 1930, página 250).
 
O ano de 2017 levou as alegrias, vitórias, tristezas e adversidades. Porém, não podemos parar na caminhada. É dos revezes da vida que aprendemos valiosas lições. O tempo é implacável, não poupando ninguém. No seu longo caminhar, leva-nos a envelhecer, às vezes sozinhos, mas para o tempo vencer, só há um caminho: Viver com Cristo, alegres aos pés do Mestre. Entretanto, isso depende da fé de cada criatura.
 
No limear de 2018 cabe a reflexão sobre os desafios nestes dias momentosos da pós-modernidade em que atravessamos. O agravamento da crise econômica abarcante e complexa que assola à Pátria Brasileira, no campo moral, as constantes violações à ética escancaradas pelas operações policiais e demandas judiciais, difundidas pela mídia falada, escrita e televisada deixa-nos que navegando num mar encapelado.
 
Após alguns anos de recessão, a economia brasileira apresenta dados contraditórios apontados pelo Banco Mundial, além de outros institutos de pesquisas congêneres. Defrontam alguns setores com quedas expressivas, enquanto outros iniciam a recuperação. Se por um lado a inflação foi reduzida, de outro, a taxa de juros do mercado ainda é elevada, além de uma carga tributária pesada, segundo o professor Givanilson Teixeira, do curso de Economia da Universidade Federal (UFRN).
 
A performance dos políticos por causa da corrupção desenfreada resulta na falta de credibilidade pelas falcatruas praticadas por eles, com algumas exceções. O Governo Federal aprovou a reforma Trabalhista, e vem, trabalhando de vento em popa para aprovar a Previdenciária, pregando ao povo brasileiro que viveremos dias melhores. Ledo engano! Pelo clima de incerteza em que passa o país, em 2018, teremos uma avalanche de feriados, além das festas tradicionais, as quais deixam o povo anestesiado: Carnaval, Semana Santa, São João, Copa do Mundo e a festejada eleição de outubro vindoro, com cada candidato, pregando que é o melhor. Os 365 dias de 2018, serão nebulosos. Mas, o Brasil capitalista espera que cada um cumpra com o seu dever.
 
Então, queremos rogar assim: Pai Nosso que estás no céu, criador de todas das coisas, damos-Lhe graça por Sua imensa glória e pedimos-Lhe proteção, para que 2018, seja repleto de paz, prosperidade e ventura para o povo, notadamente, àqueles sem fé e esperança tenham um feliz amanhecer.
 
ILUMINA o Presidente da República, dando-lhe energia, lucidez e ânimo para implementar as medidas necessárias ao progresso, bem-estar e soberania à Nação Brasileira, tornando-a menos tolerante com os corruptos.
 
FAZEI que o Presidente, os Governadores, os Prefeitos, ao invés de pensarem tão somente em suas reeleições elejam como prioridade a educação, a saúde e a segurança pública, tomando medidas coibitivas contra a ação deletéria dos marginais.
 
AGILIZAI o Poder Judiciário Brasileiro a fim de que, nas montanhas de processos que se acumulam nos tribunais, a justiça se cumpra antes da morte dos pleiteantes.
 
DESPERTAI o Ministro da Fazenda, fazendo-o perceber que mais importante, do que pagar o Fundo Monetário Internacional (FMI), é saldar a dívida social já vencida.
 
CONCLAMAI o Governador do Estado a destinar os recursos previsto em lei, para o investimentos em ciência, tecnologia e colocar em dia o pagamento dos servidores públicos do RN.
 
CONVOCAI o Prefeito de Natal para lutar contra o turismo sexual, administrando, com visão sistêmica e compromisso, o meio ambiental, a fim de que haja melhoria de vida do natalense.
CONSCIENTIZAI os Vereadores, Deputados Estaduais, Federais e Senadores da necessidade de punição aos corruptos, lembrando-os de que o papel deles, mais do que nunca não como é usar CPIs como palanque eleitoral, é fiscalizar e legislar.
 
AMPARAI os aposentados e pensionistas, condenados à perda dos direitos conquistados na Constituição Brasileira e à deteriorização da qualidade após anos de trabalho, até que a morte os liberte.
 
Afinal, BRINDAI, com sorriso e um pouco de alegria, àqueles que sofrem do medo de serem felizes, carregando o ódio e ressentimento no coração, recordando-os sempre de que eles têm família e que alguém, em algum lugar, o ama e precisa de sua atenção e cuidado.
 
Que o raiar de 2018 faça cada lágrima em sorriso, da amargura a sabedoria, de cada coração uma casa aberta para receber a todos.
 
Boas Festas e Feliz Ano Novo!