Arte e Cultura

Poema Feliz 2018

Destacamos ainda, o nosso desejo de paz, de melhoramento da humanidade, e ressaltamos as atitudes práticas para além das intenções e gestos. Nesse sentido, o poema traz duas estrofes sobre as crises (ética, política, econômica) no RN.

Por: Andrezza Maria Batista do Nascimento Tavares e Luiz Carlos de Lima
05/12/2017

I

RN: Alcaçuz, selvageria;
Seca, greve, Governo sem pagar...
BRASIL: crise na ética e na economia...
MUNDO: Loucos querendo guerrear...
Gente expulsa, sem Pátria aonde acampe:
Terrorismo, temores, Temer, Tramp:
Doze meses difíceis de passar!

II

Que o aluno se faça um lutador
(E o Governo, também, que em nada ajuda);
Que se dê o valor do Professor,
Que protege, encaminha, ensina, estuda...
E, na luta que ele travará,
Pra melhor, a Escola mudará,
E a escola MUDANDO, o Mundo MUDA!!!

III

Esmaece Dois mil e dezessete (2017);
A retrospectiva é dura, é ruim...
E o ano que vem, o que promete?
Ao Estado, ao Brasil, ao Mundo, enfim?
Ninguém sabe prever, eu não prevejo,
Mas eu oro a Jesus, peço e desejo
Que Dois mil e dezoito (2018) seja assim:

IV

Que este ano o pão sempre seja dado
Acabando a miséria, a exclusão...
Pois se um filho de um pobre favelado
Dorme embaixo da ponte, sem ter pão,
Enrolado com dois jornais abertos,
Neste exato momento (estejam certos)
A FAVELA ENGRAVIDA DE UM LADRÃO!!!

V

Que a Europa não tenha os olhos míopes
Para a África, que sofre iniquidade;
Esqueléticos bebês de mães etíopes

A chorar por pão, leite e piedade...
Que se acabe esse drama tão horrendo!
Não tratemos a Àfrica como sendo
Um lixão do Quintal da Humanidade!!!

VII

Que se dê liberdade aos cativos,
Já que as leis dos racistas não permitem...
E que os Lázaros que a droga matou vivos
Ouçam Cristo chamando e ressuscitem!

VI

Que usemos as pedras que há nas valas
Para erguer Catedrais para novenas
Em lugar de apanhá-las pra jogá-las
Sobre os corpos das pobres Madalenas!

VIII

Que haja pão, lar, repouso e horas calmas
Para aqueles com sede de justiça;
Que os homens não vendam suas almas
pelas trinta moedas da cobiça...

IX

Que entendamos que a Bíblia, o maior Livro
É um mundo prá gente meditar;
Um diálogo com Deus prá quem abrir...
Um abismo abissal prá quem fechar...
E os portões divinais escancarados
Prá quem ler, crer, sentir e praticar...

X

Que em lugar de festivos manifestos,
Esqueçamos de ouro, prata e cromos;
Que a nossa intenção se torne gestos
Nas idéias louváveis que propomos...
Que a coroa de Cristo nos adorne
E esse ano que vem chegue e nos torne
Cem mil vezes melhores do que somos!!!

XI

São, enfim, meus irmãos, os votos meus
Que esqueçamos maldade e avareza...
E que cada família tenha Deus,
O sorriso no rosto, o pão na mesa...
É assim que desejo o próximo ano:
Mais feliz, mais fraterno, mais humano!
Fiquem todos com Deus! Assina: Andrezza!!!

INTENÇÕES DENOTATIVAS PRESENTES NAS CONOTAÇÕES DO POEMA: FELIZ 2018

Andrezza Maria Batista do Nascimento Tavares (Prof. Dr IFRN)
Luiz Carlos de Lima (Poeta e Escritor)

Este poema realça o nosso desejo para o ano de 2018 nos campos da Educação, da valorização do Professor e das ciências econômicas e sociais por entendermos que esses objetos de reflexão se constituem nos principais instrumentos transformadores da Sociedade. Ao longo da reflexividade, ao aborda os temas anteriores, também apresentamos o nosso desejo da aproximação de Deus, destacando a Bíblia, a sua misericórdia, o seu amor e a solidariedade.
Destacamos ainda, o nosso desejo de paz, de melhoramento da humanidade, e ressaltamos as atitudes práticas para além das intenções e gestos. Nesse sentido, o poema traz duas estrofes sobre as crises (ética, política, econômica) no Rio Grande do Norte e no Brasil.
No Cenário mundial, aborda a política xenófoba, excludente e militarista de Donald Trump e a eterna indiferença do assim chamado primeiro mundo para com os refugiados. Não poderíamos deixar de nos indignar com pais, mulheres e crianças morrendo nos naufrágios, tentando encontrar solo firme, longe das bombas em seus países e com a política desumana e cruel dos países do G-8 com a miséria africana.
É na perspectiva desses desafios e desejos que inspiramos e prospectamos o texto Poema: FELIZ 2018.