O futuro de Amanda Gurgel, os caminhos que a vereadora pode trilhar em 2016

04/12/2015

Por: Tiago Rebolo
Foto: Arquivo PN
Detentora de quase 33 mil votos na eleição de 2012, a professora Amanda Gurgel (PSTU) ingressou na Câmara Municipal de Natal com o status de ter sido a vereadora mais votada. O feito foi tão grande que ela garantiu ainda a eleição de dois companheiros de coligação: Sandro Pimentel e Marcos Antônio, ambos do PSOL.
 
Tal desempenho nas urnas pôde ser creditado principalmente à grande repercussão que teve o discurso proferido por ela durante audiência pública na Câmara Municipal um ano antes, no qual ela criticou duramente os baixos salários dos professores de Natal e outros problemas da educação, como a baixa qualidade das merendas e o sucateamento das escolas.
 
E foi com a promessa de “fazer barulho”, chacoalhar o Legislativo e ser o contraponto à gestão do prefeito Carlos Eduardo Alves (PDT) – que tem maioria na casa, que Amanda foi eleita. Em quase três anos como vereadora, a professora licenciada foi protagonista em vários debates acalorados na Câmara natalense.
 
Graças ao desempenho nas urnas em 2012 e à atuação parlamentar de confronto com os pares e o Executivo, o nome de Amanda passou naturalmente a ser cogitado como potencial postulante à prefeita da capital em 2016. Este é o desejo de muitos correligionários do PSTU.
 
Como vantagem particular, Amanda tem como trunfo o fato de ser “novata” na política e não ter ligação com tradicionais grupos, em meio a uma onda que prega renovação nos quadros. Num eventual confronto direto com o atual prefeito Carlos Eduardo (propenso candidato a reeleição), mesmo com estrutura partidária menor, Amanda poderia assustar.
 
A vereadora não afasta nem confirma a possibilidade. Em entrevista ao programa Conexão Potiguar, apresentado pelo jornalista José Pinto Júnior na BAND Natal, Amanda revelou que já estão em curso dentro do PSTU as conversas com vistas a 2016. “Iniciamos este debate, que é coletivo, mas não há qualquer definição. Posso ser candidata à reeleição, mas também há a possibilidade de uma candidatura a prefeita”, disse.
Sobre a possibilidade de aliança com outros partidos, Amanda disse que essa alternativa também está sendo construída. “Podemos nos aliar ao PSOL e ao PCB, por exemplo, mas não há nada confirmado”, colocou. Setores da esquerda veem com bastante simpatia, inclusive, uma possível união entre Amanda Gurgel e o professor universitário Robério Paulino, já pré-candidato a prefeito pelo PSOL. A dobradinha, analisam estudiosos da cena política, poderia colocar lenha na fogueira de 2016.
 
Por enquanto, Amanda trabalha no mandato quatro propostas protocoladas recentemente na Câmara natalense. A primeira diz respeito a cobrar os 100 maiores devedores da Dívida Ativa de Natal. Só os 50 maiores devedores, como grandes empresas, devem R$ 600 milhões. O projeto de Amanda propõe cobrar e executar essa dívida. A segunda proposta trata da aplicação de IPTU maior para os proprietários de grandes imóveis. Desempregados ficariam isentos do imposto. Já o terceiro projeto consiste que todo político de Natal receba igual a uma professora. Por fim, a quarta proposta de Amanda é realizar um grande Plano de Obras Públicas em Natal para construir creches, escolas, hospitais, postos de saúde, delegacias e fazer saneamento básico, contratando os desempregados da cidade.
 
Segundo Amanda, tais projetos amenizariam (em alguns pontos, até resolveriam) os efeitos da crise que atinge o município. A proposta a Carlos foi feita. Mas talvez a vontade de Amanda seja assumir a cadeira e fazer ela mesma as mudanças que ela prega.