Sustentabilidade pode ser sinônimo de economia

06/01/2015


O conceito de sustentabilidade ainda pode soar distante ou complexo para algumas pessoas, mas ser sustentável pode ser mais fácil – e barato – do que se imagina. Reduzir o tempo no banho ou desligar as luzes quando não precisar de iluminação são exemplos de ações sustentáveis, que representam economia dos recursos naturais e nas despesas da casa. Optar por produtos que utilizam material reciclado tem se mostrado uma solução viável para a diminuição de resíduos descartados no meio ambiente e, ao mesmo tempo, para oferecer ao consumidor a possibilidade de gastar menos.

São essas pequenas ações que podem evoluir para grandes transformações, como afirma o presidente da ONG Noolhar, Marcos Wilson, uma instituição que já se tornou referência em Belém quando o assunto é reaproveitamento de materiais descartados. “O volume de doações está cada vez maior. Ano passado, a gente ficava até três meses para juntar um volume de duas toneladas de PET, por exemplo. Agora, a gente consegue reunir a mesma quantidade em apenas um mês”, conclui.

O material arrecadado pela ONG é o mais diverso possível, vai de plástico a óleo de cozinha. A maioria é transformada em novos produtos exclusivos, vendidos na lojinha da ONG, e os demais são encaminhados para outras cooperativas e associações, criando uma grande rede de reciclagem. “A gente já percebe que o hábito dos paraenses está mudando. Antes de jogar qualquer coisa fora, eles pensam se não pode ser reciclado, se não serve para alguma outra coisa. E isso é muito importante, a tendência é mesmo não deixar esses materiais irem para lixo e mantê-los dentro de casa, com novos usos”, observa Wilson.

E não foram só os cidadãos comuns que perceberam isso. Grandes empresas também investem em produtos ambientalmente corretos que ofereçam menor custo para o consumidor. A Natura, gigante do setor de cosméticos, foi a primeira empresa brasileira a utilizar PET 100% reciclado pós-consumo em suas embalagens, criando produtos mais baratos e sustentáveis. Agora, em 2014, a empresa lançou o refil dos frescores de Natura Ekos, que chegaram com frasco de PET 100% reciclado. "Os refis geram menos resíduos para o meio ambiente, pois são feitos de material que foi descartado, recuperado e reciclado. Trazem mais economia, já que são mais baratos que os regulares e são práticos e fáceis de usar, graças à tampa em formato de funil que facilita a refilagem", explica Andrea Éboli, diretora de Marketing da empresa.

O compromisso com o desenvolvimento sustentável faz parte da essência da Natura e está presente em todas as ações da empresa. Pioneira no lançamento de refis para a recarga de frascos nos anos 80, a Natura foi a primeira empresa de cosméticos do Brasil a oferecer essa inovação. Além de econômico, o uso de refil reduz o impacto ambiental e ajuda a minimizar as emissões de carbono na atmosfera.

Fonte: Mixmídia