Wellington Duarte

06/01/2019
 
BOLSONARO É A MORTE DA REPÚBLICA
 
A eleição de Bolsonaro já anunciava o que uma horda de pessoas desqualificadas e profundamente reacionárias, pretendia fazer e as indicações eram a de “remontagem” do Estado brasileiro, construído a partir da Constituição de 1988.
 
Em menos de 10 dias de governo, até mesmo as tradicionais forças liberais e conservadoras, críticas da velha Constituição, estão assustados com o ataque feito pelos hunos bolsonaristas, na sua cruzada anti-civilização e isso passa, necessariamente, por um feroz e estúpido ataque à Educação, Ciência e Cultura.
 
Os bolsonaristas, instalados no MEC estão dispostos a varrer do mapa a educação como forma de construção do cidadão, embora as críticas à forma de como a educação pública no Brezil é gerida, mereça todos os reparos. Instalaram no Ministério pessoas absolutamente desqualificadas, alguns deles verdadeiros energúmenos, para “passarem à limpo” a educação brasileira.
 
Na cabeça perturbada desses monstrengos medievais, o Brezil é uma gigantesca escola de formação de professores marxistas, que doutrinam dia e noite, os milhares de alunos desse país, todos eles vestidos de vermelho e com as bandeiras vermelhas cravadas nas salas de aula.
 
Essas pessoas, retardadas, mas perigosas, foram escolhidas a dedo pelo fanatismo destrambelhado dessa figura tosca que está na presidência, e suas tarefas são a de criar um campo de concentração cultural, de tamanho continental, impondo as ideias de sua linha de pensamento, o fascismo e, para isso, pretendem destruir a base da Educação, que hoje funciona de forma capenga e construir uma nova Educação, pautada na leitura doentia do senhor Olavo de Carvalho, uma figura patética, muito ao estilo do líder do Estado Islâmico, Abu Bakr al-Baghdadi.
 
A mente doentia dessas figuras, aliadas à ideia central de “reconstruir” o Brezil, como uma comunidade menonita, pode trazer uma das maiores catástrofes culturais e de ensino da história da humanidade, dado o tamanho do Brezil.
 
Bolsonaro, que em condições normais, deveria levar uma boa surra de urtiga e ser internado num manicômio, poderá passar a história como o homem que destruiu uma nação inteira, baseado na sua maluquice anticomunista e apoiado por uma legião de imbecis recalcados e que tendem a se vingar da sua pequenez através da implantação de uma ditadura cultural, de longo prazo.
 
A única saída é RESISTIR.