Cefas Carvalho

15/05/2018
Entro na papelaria, perto de casa, para comprar um caderno simples, para anotações e rabiscos. A vendedora, uma moça entre os trinta e quarenta, pergunta se pode ajudar. Embora eu saiba onde é a seção. pergunto pelos cadernos.
 
- Masculino ou feminino?
 
Hã? Pensei em responder qualquer coisa banal, mas, não resisti:
 
- E caderno tem sexo?
 
Imaginei que ela fosse rir, mas se aborreceu.
 
- Caderno com estampa feminina é de um lado, com capa masculina, de outro.
 
Lembrei da filha Ananda e da enteada Anna Julia, sempre querendo cadernos com capas de Batman, games ou esportes radicais. Capas "masculinas" suponho. Recordei do caderno cor de rosa que usei nos idos anos 80, penúltimo ano do ensino médio, que estava em promoção, com economias assim sobrava mais dinheiro, então, para os chopes e os discos recém-lançados de Legião Urbana e TItãs.
 
- Ah, minha senhora, vou ver os dois lados, que meus cadernos são unissex...
 
Ela fechou ainda mais a cara, não sei se por ter sido chamada de senhora ou por não levar a sério a separação radical de gêneros dela.
 
No fim das contas achei um com a capa de uma foto de Macchu Pichu. Não sei se a cidade perdida dos incas é "masculina" ou "feminina".
 
Na próxima vez, pergunto a ela.