Vássia Silveira

27/12/2017
Dedico-me atualmente a ler um mapa.  Sei que nele estão estampadas as fadigas do tempo, mas como é difícil, meu deus, delimitá-las se estão todas diluídas na carne mole e feroz! Aproximo-me, então, do espelho e acaricio os sulcos que pendem da árvore onde repousam os olhos, a boca, o nariz e miríades de inquietações. As lembranças aninhadas como uma crista de galo velho. Não seria mais digno se elas fincassem sua morada na face? 
 
Duas portas fechadas e algumas palavras ríspidas assim o fizeram. Encontro-as ao redor da boca e ao vê-las o espirito se agita. Não há noite o bastante para velejar nessas águas, nem silêncio capaz de aquietá-las. Estão sempre lá, como bandeiras orgulhosas cravadas em território usurpado. E nada posso fazer senão dobrar-me, reconhecendo nessa presença uma sombra que avança sobre campo estéril. 
 
Por toda a face soçobram sonhos. Uns dissimulados em manchas; outros em rugas finas que saltam ao menor indício de riso. Mas em ambos não há sofrimentos maiores do que um soluço na madrugada. Tudo muito previsível e suportável. Diria até que necessário, não fosse o fato de eu ter herdado de minha avó esta mancha negra que margeia os olhos e que a cada noite torna-se mais funda e irrevogável. 
 
Penso na dureza das cicatrizes, mas o latido do ganso da vizinha evita que eu mergulhe mais fundo. Como é irritante esse cachorro! Há seis meses tivemos, eu e a dona dele, um entrevero no portão. Felizmente o episódio serviu para afastar da calçada de casa a língua ferina da mulher. Mas deixou-me sem paciência para o latido do cachorro – provavelmente porque me faz recordar, com antipatia, o timbre de voz da dona. 
 
Silêncio. Finalmente o ganso se cala. 
 
Volto então ao que para mim é ainda indecifrável. Esse desfiladeiro aberto entre o queixo e a base do pescoço. Que desilusões fincaram as garras na pele arrastando-as a ponto de deixá-las o que são hoje? Faço a pergunta e antes que perceba, lá estou eu contemplando novamente a imagem no espelho. 
 
Mas que despautério querer decifrar os sulcos! 
 
Os olhos obedecem à voz rouca e cansada, e pousam nas mãos. E elas, num gesto que não esconde certa resiliência, afagam a carne mole como quem brinca com um bicho de estimação.